FAÇA UMA NOVA PESQUISA

STF mantém punição aplicada pelo CNJ à juíza envolvida no caso de prisão de adolescente em cela masculina no Pará

Origem: STF

Encontrou algum erro no conteúdo? Clique aqui para reportar o erro.

Ementa Oficial

Ementa: Direito Constitucional e Administrativo. Mandado de Segurança. Conselho Nacional de Justiça. Processo Administrativo Disciplinar. Aplicação de Penalidade à Magistrada. Ausência de violação a precedente do STF. 1. Mandado de Segurança impetrado contra decisão do CNJ que aplicou a penalidade de disponibilidade à magistrada no segundo julgamento de processo administrativo disciplinar. O primeiro julgamento havia sido anulado pelo STF no julgamento do MS nº 28.816, que determinou o retorno dos autos ao Conselho para reapreciação do caso. 2. A decisão que é objeto do presente mandado de segurança não extrapolou os limites fixados pelo STF no acórdão do MS nº 28.816. Em primeiro lugar, porque não foi aplicada a penalidade de aposentadoria compulsória, expressamente afastada por esta Corte. A decisão impõe a penalidade de disponibilidade que, nos termos do art. 42 da LOMAN, é menos grave do que a sanção aplicada anteriormente. Em segundo lugar, porque não se imputou responsabilidade à magistrada pela homologação de auto de prisão em flagrante, fundamento que foi afastado por esta Corte. Foram considerados outros elementos do caso para a aplicação da sanção, de maneira que não há violação ao precedente. 3. Além disso, também não se está diante de nenhuma das hipóteses que recomendam o controle judicial da decisão do CNJ. Como regra geral, a jurisprudência do STF adota postura de deferência com relação aos atos do Conselho, e entende que o controle somente se justifica nas hipóteses de (i) inobservância do devido processo legal; (ii) exorbitância das competências do Conselho; e (iii) injuridicidade ou manifesta irrazoabilidade do ato impugnado. Não se identifica qualquer dessas hipóteses. 4. Não há violação ao devido processo legal nem à coisa julgada, pois não houve desrespeito às balizas fixadas pelo STF no acórdão do MS nº 28.816. 5. Não há, tampouco, exorbitância das competências do Conselho. A sanção foi aplicada devido (i) à negligência da magistrada em adotar providências para a transferência de presa que estava “custodiada juntamente com outros detentos, correndo risco de sofrer todo e qualquer tipo de violência por parte dos demais”, sendo que a transferência foi expressamente requerida pela autoridade competente e (ii) ao fato de que a magistrada procurou eximir-se de sua responsabilidade, produzindo documento falso, com data retroativa, na tentativa de comprovar que ela teria adotado providências que na realidade não adotou. Trata-se de atuação do CNJ no controle do cumprimento dos deveres funcionais da juíza, que encontra respaldo no art. 103-B, §4º, CF, não havendo que se falar em indevida análise de ato jurisdicional. 6. Por fim, não há injuridicidade ou manifesta irrazoabilidade do ato impugnado. A penalidade aplicada se revela proporcional às condutas imputadas à magistrada e à prova dos autos. 7. Segurança denegada, com consequente revogação da liminar anteriormente concedida, ficando prejudicado o agravo interposto pela União.
(MS 34490, Relator(a): Min. MARCO AURÉLIO, Relator(a) p/ Acórdão: Min. ROBERTO BARROSO, Primeira Turma, julgado em 27/11/2018, PROCESSO ELETRÔNICO DJe-076 DIVULG 11-04-2019 PUBLIC 12-04-2019)



Assine o plano Premium para ter acesso aos comentários de todos os julgados.


Assinar o Plano PREMIUM


Encontrou algum erro no conteúdo? Clique aqui para reportar o erro.

Como citar este texto

CAVALCANTE, Márcio André Lopes. STF mantém punição aplicada pelo CNJ à juíza envolvida no caso de prisão de adolescente em cela masculina no Pará. Buscador Dizer o Direito, Manaus. Disponível em: <https://www.buscadordizerodireito.com.br/jurisprudencia/detalhes/a1b63b36ba67b15d2f47da55cdb8018d>. Acesso em: 19/10/2019

Blog Dizer o Direito

Confira as últimas postagens no nosso blog.

Nova situação de perdimento de bens para condenados por alguns crimes da Lei de Drogas (Lei 13.886/2019)

A Lei nº 13.886/2019 promoveu diversas alterações na Lei de Drogas. Vou destacar aqui aquela que reputo mais importante.A Lei nº 13.886/2019 acrescentou, na Lei de Drogas (Lei nº 11.343/2006), o...
Leia mais >

MP 899/2019: estabelece os requisitos e as condições para que a União e os devedores realizem transação envolvendo débitos tributários

Olá, amigos do Dizer o Direito, Foi publicada ontem a Medida Provisória 899/2019, que estabelece os requisitos e as condições para que a União e os devedores ou as partes adversas realizem...
Leia mais >

Não cabe agravo de instrumento contra a decisão que nega o pedido para que ocorra o julgamento antecipado parcial do mérito

Julgamento parcial antecipado do méritoCaso sejam formulados dois ou mais pedidos, o juiz pode constar o seguinte:• para eu decidir o pedido 1 (ex: danos emergentes) não é necessária a...
Leia mais >